quinta-feira, 6 de junho de 2013

Tão feliz que nem caibo dentro de mim mesma!

Olá!!! Que dia lindo que tá fazendo,né? Bom, pelo menos aqui na minha cidade o sol tá demais! Sem tom de palestra, hoje eu vou falar só um pouquinho sobre "mudanças". Sabe quando cê sente necessidade de abrir espaço pra um montão de outras coisas, sonhos e possibilidades que você curte e que, por algum motivo, você não abriu antes? Pois é, esse é o meu momento. Chegou a hora! Vou fazer isso, pois me dei conta de que nada tenho a perder. E são tantas todas estas coisas das quais eu falo agora... Nem me atrevo a listar, pois levaria o dia todo, rs! Eu quero muito isso e, não existe uma frase que diz que "querer é poder"? Então, eu quero e eu posso! E quando penso nas possibilidades... chega me dar um frenesi, rs! E quando a gente muda com apoio da família e de bons amigos então? Ui, é tudo de bom, pois te deixa mais confiante e segura! E quando a gente muda assim??? Tô muito feliz de estar vivendo este momento, de estar sentindo esse cheiro de coisa nova, de estar sentindo tantas sensações misturadas, tão feliz, que nem caibo dentro de mim mesma! Torce por mim? Beijos! Eu sou uma Rockstar livre!!!

domingo, 2 de junho de 2013

Como se escreve...

Hey!!! Hoje deixo pra vocês essa mensagem linda, que fala, entre outras coisas, sobre o tempo que devemos "criar para amar" e também, sobre a atenção que devemos dedicar aos nossos pequenos. Beijos! Eu sou uma Rockstar livre!!! Como se escreve… Quando eu tinha somente cinco anos, a professora do jardim de infância pediu aos alunos que fizéssemos um desenho de alguma coisa que amávamos. Eu desenhei a minha família. Depois, tracei um grande círculo com lápis vermelho ao redor das figuras. Desejando escrever uma palavra acima do círculo, sai de minha mesinha e fui até à mesa da professora e disse : - Professora, como a gente escreve…? Ela não me deixou concluir a pergunta. Mandou-me voltar para o meu lugar e não me atrever mais a interromper a aula. Dobrei o papel e o guardei no bolso. Quando retornei para casa, naquele dia, me lembrei do desenho e o tirei do bolso. Alisei-o bem sobre a mesa da cozinha, fui até minha mochila, peguei um lápis e olhei para o grande círculo vermelho. Minha mãe estava preparando o jantar, indo e vindo do fogão para a pia. Eu queria terminar o desenho antes de mostrá-lo para ela e disse. Mamãe, como a gente escreve…? - Menino, não dá para ver que estou ocupada agora? Vá brincar lá fora. E não bata a porta, foi a resposta dela. Dobrei o desenho e guardei no bolso. Naquela noite, tirei outra vez o desenho do bolso. Olhei para o grande círculo vermelho, e peguei o lápis. Queria terminar o desenho antes de mostrá-lo para meu pai. Alisei bem as dobras e coloquei o desenho no chão da sala, perto da poltrona reclinável do meu pai e disse: - Papai, como a gente escreve…? Estou lendo o jornal e não quero ser interrompido. Vá brincar lá fora. E não bata a porta. Dobrei o desenho e o guardei no bolso novamente. No dia seguinte, quando minha mãe separava a roupa para lavar, encontrou no bolso da calça enrolados no papel, uma pedrinha, um pedaço de barbante e duas bolinhas de gude. Todos os meus “tesouros” que eu catara enquanto brincava fora de casa. Ela nem abriu o papel. Atirou tudo no lixo. Os anos passaram… Quando tinha 28 anos, minha filha de cinco anos, fez um desenho. Era o desenho de sua(minha) família. Sorri quando ela apontou uma figura alta, de forma indefinida e me disse. - Este aqui é você, papai! Olhei para o grande círculo vermelho feito por minha filha ao redor das figuras, e lentamente comecei a passar o dedo sobre o círculo. Ela desceu rapidamente do meu colo e avisou: Eu volto logo! E voltou. Com um lápis na mão. Acomodou-se outra vez nos meus joelhos, posicionou a ponta do lápis perto do topo do grande círculo vermelho e perguntou. - Papai, como a gente escreve amor? Abracei minha filha, tomei a sua mãozinha e a fui conduzindo, devagar, ajudando-a a formar as letras, enquanto dizia: Amor... Amor, querida, se escreve com as letras T…E…M…P…O (TEMPO). Conjugue o verbo amar todo o tempo. Use o seu tempo para amar. Crie um tempo extra para amar, não esquecendo que para os filhos, em especial, o que importa é ter quem ouça e opine, quem participe e vibre, quem conheça e incentive. Não espere seu filho ter que descobrir sozinho como se soletra amor, família, afeição. Por fim, lembre-se: Se você não tiver tempo para amar, crie. Afinal, o ser humano é um poço de criatividade e o tempo… …Bom, o tempo é uma questão de escolha. Autor desconhecido.

sábado, 1 de junho de 2013

Sábado atípico

Hey!!! Nossa, não me lembro da última vez em que postei num sábado... Talvez porque nesse dia, normalmente sempre tenho alguma coisa muito legal pra fazer com a minha pequena ou com alguma amiga, ensaio... Bom, tá na cara que hoje tá sendo um dia atípico, né? Rs! Tô aqui, nesse dia tãããooo diferente pra mim, pensando em como as coisas tomam um rumo que a gente às vezes não espera mesmo. Não vou me estender muito, é apenas um lance em que estou pensando. Já me lembrei de tantas fases e situações que passei na vida nesse momentinho aqui, sozinha; Em lugares onde eu gostaria de estar agora, pessoas com as quais gostaria de estar trocando alguma história. Engraçado como ouço cada cantar de passarinho qui atrás de casa, tem muito verde aqui! Presto atenção em cada cãozinho latindo, na fileira das formigas trabalhando pra caramba pra ficarem numa boa durante o inverno. Faço lista de mercado, fera, faxino o castelo, passeio com a minha peludinha, a Bella, organizo alguns papéis, marco na agenda os compromissos da semana, ligo pra alguma amiga ou amigo com quem não falo a um tempo ou pra minha amiga-irmã, com a qual falo T-O-D-O-S-A-N-T-O-D-I-A e adoro, faço uns clicks (do celular mesmo), componho, invento alguma receita... Acho que é assim com todos nós, né? A gente tende a pensar na vida e a inventar coisas pra fazer, quando fica sozinho, sem nada pra fazer, kkk! Bom sábado, atípico ou não, pra todos! Beijos! Eu sou uma Rockstar livre!!!